Procuradoria Geral de Justiça denuncia Raimundo Cutrim e Alberto Franco por formação de quadrilha

Raimundo Cutrim e Alberto Franco

Blog do Gilberto Leda
Link original: http://gilbertoleda.com.br/2013/01/30/leia-denuncia-da-pgj-contra-raimundo-cutrim-e-alberto-franco-por-formacao-de-quadrilha/

O blog traz agora, como prometido ontem (29), cópia integral da denúncia feita pela procuradora-geral de Justiça do Maranhão, Regina Rocha, contra o deputado estadual Raimundo Cutrim (PSD), o secretário de Estado de Assuntos Estratégicos, Alberto Franco (PMDB) e outras seis pessoas por formação de quadrilha, falsidade ideológica e uso de documentos falsos.

Baixe aqui o documento.

Segundo a PGJ, as investigações comprovaram o envolvimento de todos os acusados. “Os quais, de forma consciente e ajustada, praticaram os crimes adiante expostos, envolvendo a compra e venda de terras da área registrada sob o nº 3060, como será demonstrado”, relata Regina Rocha.

No total, a denúncia feita ao Tribunal de Justiça tem vinte páginas, e foi embasada nas 62 do relatório de inquérito policial que apurou crimes de grilagem na Ilha de São Luís. O relator do processo na Justiça será o desembargador José Luiz Almeida.

Raimundo Cutrim e Alberto Franco foram indiciados depois que a Polícia Civil começou a apurar os crimes de grilagem de terras na Ilha de São Luís. As investigações começaram a partir do assassinato do empresário Marggion Lanyere Ferreira Andrade, no final de 2011.

Além dos dois, estão denunciados Sebastião Cardoso, Alcides Nunes, Pedro Chagas Silva, Vitório Pereira, Cinézio de Jesus, Eliene Neves e Mário Jorge Campos. Como o deputado Cutrim possui a prerrogativa de foro privilegiado, todos serão julgados pelo TJ.

O empresário Altevir Mendoça também foi investigado, mas sequer chegou a ser indiciado. “Sua conduta é atípica tendo em vista ser o único dos beneficiários da fraude que comprovadamente desconhecia os vícios do título”, diz a comissão de delegados sobre ele.

O TJ deve decidir, agora, se recebe, ou não a denúncia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*