Deputados repercutem acidente que matou estudantes em Bacuri

DEPUTADOS OPOSICIONISTAS

Os deputados Raimundo Cutrim (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB), Neto Evangelista (PSDB), Othelino Neto (PCdoB), Eliziane Gama (PPS) e Marcelo Tavares (PSB), na sessão desta quarta-feira, 30, repercutiram o acidente ocorrido, ontem à noite, no povoado Madragoa, no município de Bacuri, onde oito 12 adolescentes morreram e vários outros ficaram feridos. O carro que estava transportando os estudantes do ensino médio, além de ser um pau-de-arara, era conduzido por um menor de idade.

Ao se solidarizarem com os familiares dos estudantes, os deputados cobraram do Governo do Estado, Ministério Público Estadual e da Prefeitura Municipal de Bacuri, responsabilidades e uma apuração rigorosa dessa tragédia. Eles afirmaram que se os estudantes estivessem em um ônibus escolar adequado esse acidente não teria acontecido.

Bira do Pindaré frisou que essa tragédia impactante e lamentável merece uma reflexão muito grande do que acontece no Estado do Maranhão. “Quem são os responsáveis pela morte desses jovens, pelas tristezas das famílias e do povoado? É uma situação realmente dramática que exige da gente uma postura muito determinada para esta conduta que é criminosa. Se eles estivessem em um ônibus escolar adequado não tinha morrido ninguém”, afirmou o parlamentar. Ele adiantou ainda que em nome da Comissão de Direitos Humanos irá ao povoado de Bacuri para ouvir a comunidade e trazer os elementos necessários para que o legislativo estadual possa oficiar cobrando a atuação institucional adequada.

“Fica aqui o nosso pesar, a nossa solidariedade às famílias que, neste momento, choram a perda desses jovens, desses estudantes e esperar que a polícia, o Ministério Público, a prefeitura e o Governo do Estado cumpram o seu papel para que situações como essa não se repita”, disse Bira do Pindaré.

Neto Evangelista, ao lamentar a morte dos estudantes, disse que no próximo sábado irá ao município de Bacuri visitar as famílias dos jovens que foram vítimas dessa tragédia. “Infelizmente, os adolescentes estavam sendo transportados em um pau-de-arara. Talvez, se tivessem em um veículo decente, em um ônibus escolar, não teria ocorrido uma tragédia dessa natureza. A administração em Bacuri não existe. A cidade está sem prefeito hoje. É lamentável”, afirmou o parlamentar.

“Aquilo que aconteceu ontem é o retrato do estado de pobreza do Maranhão. Eu registro com muita tristeza esse acidente, e espero que seja apurado e, principalmente, que nós possamos em breve espaço de tempo fazer com que o Maranhão não sofra mais esse tipo de situação; que crianças não morram sendo transportadas indevidamente em carros que não são adequados”, frisou Othelino Neto.

Prática reiterada

Eliziane Gama disse que o transporte inadequado de estudantes e moradores é uma prática reiterada em várias cidades do Maranhão. “Não é somente a cidade de Bacuri que usa esse tipo de transporte, nós temos dezenas de cidades do Estado do Maranhão que repetem essa mesma prática e, infelizmente, nós poderemos estar vendo a qualquer momento outra tragédia dessa mesma natureza acontecer”, assegurou Eliziane Gama. Ela disse ainda que a Assembleia Legislativa precisa acompanhar também essa questão, bem como o Ministério Público e demais órgãos fiscalizadores.

“Alguém já viu a governadora Roseana comprar ônibus escolar para fazer o transporte do ensino médio? Ninguém viu, mas, infelizmente, em um estado que gasta 113 milhões de reais com acordo do doleiro e não gasta quase nada com transporte escolar, nós ainda temos que ver situações desastrosas, tragédias como essas que mataram muitos jovens maranhenses”, disse Marcelo Tavares.

2 ideias sobre “Deputados repercutem acidente que matou estudantes em Bacuri

  1. Discordo do Othelino…..essa tragédia aconteceu, não porque o Maranhão é pobre, mas porque tem gestores irresponsáveis, como no caso esse prefeito…….A falta de ônibus decente para transportar estudantes, não é por falta de recursos e ele sabe bem disso……É por

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*