E-mail pra Dona Bibi

 

Olá, minha gata, muito bom dia! Espero que estas poucas e mal traçadas venham a encontrá-la na maior  paz aí, ao  lado do Criador. Por aqui, gata, tudo como dantes, no quartel de Abrantes. O Joel Jacinto me descatitou na semana passada. Disse que fui fraco. Sabe como é o Joel, né não? O cidadão gosta é de colocar lenha na fogueira. Sempre foi assim, desde os tempos de estudante.

Olha, morena, dizem que tenho ojeriza ao PT. Nada disso. Até que nutria simpatia pelo partido, logo no começo, mas logo vi que ali estava um grupo de aloprados,  depois que assumiram o poder.

Veio a roubalheira do Mensalão, o assalto do Petrolão e aí a decepção, não apenas desse pretinho aqui, mas de todo povo brasileiro. Na sexta-feira, por exemplo, jogaram uma bomba na sede do diretório do partido, em São Paulo. Sinal de que a sigla está dando os últimos suspiros.

O PT deve ser sepultado por conta da corrupção, juntamente com o PP do Waldir Maranhão, que tem 19 integrantes envolvidos no escândalo da Lava-Jato. A gente faz a críticas e os petistas dizem que somos golpistas.

Esta semana a Lívia me chamou a atenção para um assunto referente ao Loolapallooza, festival de  roque que acontece todo ano no Brasil, e que este ano será realizado entre os dias 28 e 29 deste mês, em São Paulo.

É que já tem fãs histéricos, de todos os cantos do país, com barracas montadas, há mais de uma semana, nos arredores do autódromo de Interlagos, onde será  realizado o evento musical.

A paquerrucha questionou a razão de muitos desses jovens se anteciparem dias e dias para um festival desse tipo e chegarem atrasados para as provas do Enem.

Bem, fofa, vamos agora às mais importantes por aqui.

*

O  deputado Fernando Furtado (PCdoB) chegou como o arruaceiro na Assembleia Legislativa. Briga com Deus, o mundo e seu Raimundo. Bate forte nos colegas Junior Verde e Edson Araújo, acusando-os de integrarem a máfia da pesca e agora está de rusga com Sousa Neto.

*

 

 

Ocupou a tribuna, no meio da semana, para rebater críticas do deputado Sousa Neto (PTN), frisando ter nascido em uma família humilde. Furtado assinalou que não se elegeu às custas de dinheiro público, e sim graças a uma intensa luta, travada em meio a grandes sacrifícios.

*

 

Fernando Furtado acrescentou ainda  que não fez nenhum pedido ao governador Flávio Dino para que, como suplente, pudesse assumir mandato na Assembleia Legislativa. “Eu estou aqui nesta Casa representando os trabalhadores da pesca por mérito; eu não tive milhões para gastar com minha campanha. Os votos que obtive vieram da base a qual eu represento”, frisou.

*

 

Depois de expressar repulsa à compra de voto, o deputado Fernando Furtado lembrou que, na primeira eleição que disputou, obteve pouco mais de 500 votos. Na segunda, obteve 11.446 votos e, na terceira eleição, conquistou 17.752 votos.

*

 

Sousa Neto engoliu em seco.  Neguinho diz lá pela Assembleia, que o mandato dele foi um presentão do sogro, o ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, que teria movido mundos e fundos, para que o genro fosse diplomado deputado estadual. Como se fosse o primeiro emprego.

*

Essa história de primeiro emprego na Assembleia não é primazia de Sousa Neto. A rapaziada diz que o ex-deputado Carlos Filho, conquistou seu  mandato, quando ainda era genro da ex-governadora Roseana Sarney.

*

Também é sempre lembrada a história do deputado Edilázio Júnior, genro da desembargadora Nelma Sarney, que lutou com unhas e dentes desde o primeiro mandato do genro querido, para não vê-lo sair derrotado nas urnas.

*

Olha, cidadã, já estamos na Semana Santa. Como sempre acontece, frutos do mar estão com os preços nas alturas por aqui. A gente procura Procon, Ministério Público e o escambau e ninguém nos socorre.

*

Entra governo, sai governo e essa questão de controle de preços continua sendo o terror das donas de casa. O povo sofre. Até a promotora Lítia Cavalcanti tomou chá de sumiço.

*

O  ex-prefeito Clodomir Oliveira, da Raposa, continua afastado. Um recurso movido pelo vice-prefeito para retorno dele e do Clodomir foi indeferido no STF.

*

Costumo dizer que aqui no Maranhão, quem decide cassação de prefeito agora é deputado e não a Justiça Eleitoral. Pelo menos foi isso o que deixou patenteado o deputado Edilázio Júnior, quando disse que Clodomir não ficaria na prefeitura.

*

Falando em Justiça, aquele promotor adoidado, o Carlos Serra, foi afastado das funções. Cometeu todo tipo de asneira no exercício do cargo. Recebeu propina, espancou gente, ameaçou matar desafeto, mas vai ter um prêmio.

*

O Conselho Nacional do Ministério Público vai mandar aposentá-lo com salário proporcional ao tempo de serviço. É uma excrecência , esse tipo de punição.

*

Está na hora de magistrados e promotores corruptos serem demitidos da mesma forma que outros servidores públicos. Devem ir para casa com uma mão na frente e outra atrás. Nada de salário proporcional.

*

Por aqui, só conheço um ex-juiz, o Raimundinho, que se envolveu com assaltantes depois de aposentado e o TJ decidiu tirar-lhe a aposentadoria. Depois disso, houve uma renca de juízes e desembargadores que meteram a mão no jarro a ganharam gorda aposentadoria.

*

O prefeito de Cururupu, Júnior Franco está encrencado com o Ministério Público, por conta de uma tal de Avenida Litorânea por ele construída por lá, sem   o devido licenciamento ambiental.

*

Quem também vai enfrentar uma série de problemas após o mandato será a prefeita de Rosário, a Irlaih Moraes. Sua chance de reeleição é praticamente zero e ela está denunciada por malversação do dinheiro público.

*

O secretário de Segurança, Jefferson Portela deve tomar cuidado. Tem gente armando contra o sistema, lá pras bandas do complexo penitenciário de Pedrinhas.

*

Bem, minha gata querida, com essa, vou ficando por aqui, garantindo retorno na próxima semana, se Deus quiser. Mas ele quer, porque sempre foi legal com esse teu pretinho aqui. Sempre entrou na defesa, em todos os momentos de sufoco.

*

Um beijão do teu filhote amado

Djalma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*