Maranhão no ranking de assassinatos de jornalistas

Manoel Messias

Manoel Messias

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou o assassinato do jornalista brasileiro João Miranda do Carmo, morto a tiros na noite do último domingo (24), em Santo Antônio do Descoberto (GO). É o terceiro assassinato de jornalista este ano no Brasil. Um deles ocorreu no Maranhão no mês de abril.

Em nota, a entidade que reúne mais de 1,3 mil publicações ocidentais e está sediada em Miami (EUA), pediu às autoridades brasileiras que investiguem o caso o mais rápido possível.

“A investigação e as medidas urgentes e necessárias para identificar os mentores do crime e os assassinos são os melhores instrumentos para evitar a impunidade e a falta de justiça nesses casos de violência”, disse o presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP, Claudio Paolillo.

 

Miranda era dono do site de notícias SAD Sem Censura, que publicava notícias sobre violência, corrupção e outros problemas de Santo Antônio do Descoberto, na região do entorno de Brasília. Na noite de domingo, homens desconhecidos pararam um carro diante da casa do jornalista e tocaram a campainha. Quando o Miranda abriu a porta, foi atingido por sete tiros.

Outros casos

Esse foi o terceiro assassinato de jornalista este ano no Brasil. Em março, o radialista João Valdecir Barbosa foi morto a tiros enquanto trabalhava nos estúdios da Rádio Difusora AM, em São Jorge do Oeste, sudoeste do Paraná. Em abril, oblogueiro Manoel Messias Pereira, foi morto também a tiros em Grajaú, no Maranhão. Em toda a América, mais 14 jornalistas foram mortos em 2016 até agora: nove no México, dois na Guatemala, um em El Salvador, um nos Estados Unidos e um na Venezuela.

Em 2015, o Brasil ficou em quinto lugar entre os países mais perigosos para o exercício da atividade jornalística, com oito assassinatos, de acordo com a organização internacional Comitê para a Proteção dos Jornalistas, (CJP, na sigla em inglês). O país ficou à frente de nações em guerra, como Iraque e Sudão do Sul. A maior parte dos profissionais assassinadas apurava casos de corrupção envolvendo políticos.

Maranhão 2015

No dia 13 de outubro de 2015, o blogueiro Ítalo Diniz Barros, de 30 anos, foi morto na cidade de Governador Nunes Freire. Dias depois, foi morto outro blogueiro,Orislândio Timóteo Araújo, o Roberto Lano, assassinado no município de Buriticupu.

Segundo a polícia, Roberto Lano foi atingido por disparos por um suspeito em uma motocicleta e morreu ainda no local do crime. As características do assassinato de Lano se assemelham às de Ítalo Diniz, que foi morto também por dois homens que estavam em uma moto.

Em São Luís, o caso mais famoso é o do blogueiro Décio Sá, que foi assassinado no 23 de abril de 2012, na Avenida Litorânea, com vários tiros. Até hoje, apenas o assassino confesso, Jhonatan de Sousa Silva, e um comparsa, foram julgados e condenados. Os suspeitos de serem os mandantes do crime seguem presos, mas ainda não foram condenados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*