Lewandowski manda prender advogado após ouvir que “STF é uma vergonha”

Ao embarcar de São Paulo para Brasília, onde analisa mais um pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi interpelado por um passageiro em um voo da Gol Linhas Aéreas e, depois do que ouviu, pediu a presença da Polícia Federal no avião para providências. No vídeo abaixo, vê-se o advogado identificado como Cristiano Caiado de Acioli, de 39 anos, dirigir-se ao ministro com queixas sobre o STF – e, por isso, Cristiano teve que dar explicações à PF quando desembarcou na capital federal (leia mais abaixo).

“Ministro Lewandowski, o Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês…”

“Vem cá… Você quer ser preso?”, retrucou o ministro, passando a falar com um comissário de bordo. “Chama a Polícia Federal aí.”

“Mas eu não posso me expressar? Chama a Polícia Federal então. Chama a Polícia Federal. Só por que eu falei que o Supremo é uma vergonha?”, replicou o advogado.

No vídeo, ouve-se uma mulher manifestando aparente apoio ao interlocutor do ministro: “Tem mais. Pode trazer [a PF] que tem bastante [gente para ser ‘presa’]”, disse, sem aparecer na imagem.

Segundo relato da Agência Brasil, um agente da PF foi à aeronave, mas o advogado se comprometeu a manter a calma e a viagem pôde ter início. Quando o avião pousou em Brasília, no entanto, Cristiano Caiado foi abordado no desembarque do aeroporto Juscelino Kubitschek e levado para prestar depoimento na Superintendência Regional da PF no Distrito Federal, segundo a própria corporação.

O gabinete de Lewandowski no STF já disse que não haveria manifestação sobre o caso. O ministro não falou com jornalistas ao chegar à sala de julgamentos da Segunda Turna. Ele e o colega Gilmar Mendes foram votos vencidos na tentativa da defesa de Lula em adiar o julgamento do habeas corpus.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*