Prefeito Luis Fernando assina lei que vai possibilitar a concessão de títulos a milhares de famílias ribamarenses

O prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva, acompanhado do Secretário de Agricultura, Adelmo Soares, e do vice-prefeito, Eudes Sampaio, sancionou na manhã desta sexta-feira, dia 19, na sede do Salão da Cultura, a Lei de Regularização Fundiária, beneficiando milhares de moradores ribamarenses. No mesmo ato, o prefeito também assinou o Termo de Cooperação Técnica com a União Federal que vai possibilitar a legalização de casas e imóveis do Terra Livre e Canudos, situados na reserva de Itapiracó.

De acordo com o secretário de regularização fundiária, o advogado Daniel Pereira de Souza, esse não foi apenas um momento histórico, foi também a concretização de um antigo sonho de milhares de famílias ribamarenses.

“O prefeito Luis Fernando, não apenas sanciona a lei como também assina acordo de cooperação com a secretaria do patrimônio público da união, que vai possibilitar que a regularização fundiária pensada e executada pelo prefeito atinja todos os munícipes, todas as regiões. Estamos quebrando a muralha que apartava os cidadãos ribamarenses da realização fundiária ampla e irrestrita”, comemorou.

Para o secretário de estado da agricultura familiar, Adelmo Soares, que participou do ato, a rápida aprovação ocorreu em razão do comprometimento de todos os poderes, “a Câmara fez o seu papel independente, mostrando o seu compromisso com a população e por meio deles, é que são aprovadas as leis. A partir de agora, mãos à obra”, disse.

Com a assinatura do Termo de Cooperação Técnica com a União Federal, principais instrumentos da legalização de terrenos e casas, será possível regularizar cerca de 2 mil famílias do Terra Livre e Canudos, o que para o prefeito Luís Fernando é o início de um grande processo de regularização fundiária no município.

“Demos início a esse processo antes mesmo de ganharmos o pleito, pois foi durante a campanha que por meio do seminário “Planeja”, já tínhamos a proposição de criar a secretaria de regularização fundiária, exatamente para dar celeridade às questões de terras no município”, explicou o prefeito.

 

 

Câmara inicia testes para transmissão ao vivo das sessões

 

Foram realizados na última quarta-feira, dia 17, os primeiros testes com a tecnologia streaming para o processo de transmissão ao vivo das sessões plenárias da Câmara Municipal de São Luís, via internet. A primeira gravação de áudio e vídeo foi feita durante sessão solene para entrega do Título de Cidadão Ludovicense ao ex-deputado e empresário Carlos Cesar Branco Bandeira, fundador da FACAM – Faculdade do Maranhão.

A difusão com os testes ocorreu por meio de quatro câmeras de vídeo instaladas no Plenário Simão Estácio da Silveira. Além de sessões solenes, as sessões ordinárias, extraordinárias e as audiências públicas do Legislativo também ganharão destaques na transmissão em tempo real. Todas as pessoas interessadas em acompanhar as atividades legislativas da Casa poderão conferir ao vivo, acessando o site www.saoluis.ma.leg.br.

O serviço estará disponível no site do Parlamento todas as segundas, terças e quartas-feiras pela manhã, a partir das 10h00, horário regimental da abertura dos trabalhos legislativos. Fora deste horário, o usuário poderá fazer downloads e assistir as sessões anteriores.

Em entrevista ao ‘Câmara News’, informativo que vai ao ar todas as sextas, pela Rádio Difusora AM (680), André Cutrim, responsável pelo serviço de vídeo da Casa, disse que a tecnologia streaming é uma forma de transmissão instantânea de dados de áudio e vídeo através de redes. Ele explicou que por meio do serviço, é possível assistir a filmes ou escutar música sem a necessidade de fazer download, o que torna mais rápido o acesso aos conteúdos online.

 

“A tecnologia streaming que será usada nas transmissões melhora a velocidade das conexões com a Internet. Com isso, os dados serão armazenados temporariamente na máquina e vão sendo exibidos ao usuário em velocidade quase instantânea”, disse.

Segundo a diretora de Comunicação, jornalista Itamargareth Correia Lima, a transmissão será um grande benefício para os ludovicenses. “Essa ação vai aproximar ainda mais a população do Poder Legislativo”, enfatiza.

A transmissão das sessões se soma a outras ações deflagradas na gestão do vereador Astro de Ogum (PR) no comando da Casa com o objetivo de aumentar a transparência do Legislativo. A primeira delas foi à restruturação do site, dando maior transparência das ações do Palácio Pedro Neiva de Santana, sede do Poder Legislativo da capital.

ROJETOS DE ROBERTO ROCHA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES SÃO DESTAQUES NA AGENDA 2017 DA ABRINQ

 

O Senado Federal analisa o Projeto de Lei 217/2015, de autoria do senador Roberto Rocha (PSB-MA), que dobra o repasse de recursos para alimentação escolar em municípios em situação de extrema pobreza. A matéria vem sendo acompanhada de perto pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Fundação Abrinq), que lançou, esta semana, o seu Caderno Legislativo 2017. Segundo a entidade, a proposta do senador maranhense é uma das mais relevantes no tema em defesa da criança e do adolescente no Congresso Nacional.

O projeto, que já foi aprovado na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado, prevê duplicar os valores do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), conhecido como merenda escolar, para alunos de localidades de extrema pobreza. “Há muitas áreas rurais e municípios pobres, onde ainda tem registros de desnutrição infantil. Persistem situações onde a principal motivação de uma criança ir à escola é encontrar fonte de substância na merenda oferecida”, explicou o senador Roberto Rocha.

A medida beneficiará 470 municípios brasileiros, cerca de 100 deles localizados no Maranhão. São considerados municípios de extrema pobreza aqueles nos quais 30% ou mais das famílias neles residentes façam parte do cadastro dos programas Brasil sem Miséria ou Bolsa Família.

Embora a proposta do senador maranhense seja uma das mais destacadas, estudo apresentado pela Abrinq revela que apenas 12 entre 2.769 propostas dos congressistas relacionadas ao público entre 0 e 17 anos foram sancionadas pelo presidente da República em 2016. Outras 11 foram arquivadas e as restantes estão praticamente paralisadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Em entrevista ao site Congresso em Foco, a diretora executiva da Abrinq, Heloísa Oliveira, disse que há pouco foco dos parlamentares nas prioridades relativas à questão. “São diversos problemas acerca da pauta legislativa, como lentidão na tramitação das propostas, inadequação formal dos projetos, vícios de inconstitucionalidade e outras situações de confronto com a lei. Tudo isso dificulta a aprovação dessas propostas”, disse.

Na contramão da maioria dos parlamentares, o senador Roberto Rocha tem outras propostas especificamente para crianças e adolescentes, como o Projeto de Lei 353/2016 que institui o Programa de Passe Livre Estudantil e cria o Fundo Federal do Passe Livre Estudantil. A proposta também está no rol de monitoramento da Abrinq.

Para o congressista maranhense, iniciativas para criação de legislações voltadas para crianças e adolescentes são uma forma de assegurar desde cedo os direitos delas e ajudá-las a criar oportunidades na vida. “O nosso projeto procura desonerar as famílias dos encargos de deslocamento de seus membros, sobretudo nos casos das crianças e dos jovens, assegurando-lhes as condições mínimas de circulação na cidade onde moram e estudam, algo mais importante ainda nos casos dos estudantes que habitam nossas periferias urbanas, cujos deslocamentos são mais onerosos para o orçamento familiar”, argumentou Roberto Rocha.

Por recomendação do MPT, empresários terão que mudar postura em respeito aos Rodoviários

A Audiência realizada na tarde da última quinta-feira (18), no Ministério Público do Trabalho, tratou de assuntos, que principalmente, nos últimos meses, vinham sendo reivindicados pelos Rodoviários. Problemas e prejuízos, que os trabalhadores são obrigados a conviver diariamente.

Estiveram presentes no encontro, representantes do Sindicato dos Rodoviários, do sindicato patronal (SET), da Câmara Municipal e da Prefeitura de São Luís. A audiência foi conduzida pelo Procurador-Chefe do MPT-MA, Marcos Rosa. O primeiro tema a ser discutido, foi os pontos finais da capital. Locais completamente, sem estrutura, para atender minimamente, os trabalhadores, em caso de qualquer necessidade. Na ocasião, foi formada uma comissão, envolvendo a participação de todas as entidades e órgãos presentes, para viabilizar um estudo e oferecer sugestões, para a adaptação dos pontos finais, com espaços adequados. Esse resultado deverá ser apresentado ao MPT, no prazo de quinze dias.

Outro ponto discutido tem haver com os assaltos a coletivos, ocorridos em São Luís. Em situações como essa, o trabalhador, principalmente, o cobrador, era obrigado a arcar com a quantia em caixa, levada pelos criminosos. Os empresários alegam que dentro dos ônibus, existem cofres e que o dinheiro arrecadado, deve ser depositado, deixando em caixa, o mínimo possível. Pela recomendação do MPT, essa cobrança não deve mais acontecer, já que é preciso levar em consideração, que o trabalhador, durante um assalto, também fica vulnerável as ações criminosas, fora o susto e até mesmo, o trauma, que toda essa experiência gera. O SET deverá comunicar essa decisão, aos empresários que atuam no setor.

Por fim, foi levada para a mesa, a questão das cobranças sofridas pelos Rodoviários, principalmente, motoristas, que muitas vezes, são obrigados a pagar pela reposição de peças danificadas dos ônibus. A manutenção desses veículos é de inteira responsabilidade dos empresários e os trabalhadores, que rodam em muitas ruas e avenidas de São Luís, em condições precárias, não podem sofrer descontos nos salários, para pagar por uma peça quebrada. Ficou estabelecido, que o Presidente do Sindicato dos Rodoviários, Isaias Castelo Branco, irá pessoalmente, verificar as empresas de ônibus, que realizam esse tipo de cobrança. Quem estiver agindo na irregularidade, será comunicado ao Ministério Público do Trabalho, para que os responsáveis sejam autuados e punidos.

“Em um único encontro, conseguimos obter respostas positivas, de problemas, que atormentam quem trabalha no transporte público de São Luís. Agora contamos com o respaldo da Justiça do Trabalho e mais do que nunca, iremos exigir nossos direitos, fiscalizar e cobrar, para que nenhum Rodoviário seja mais punido injustamente ou lesado. Agradecemos a Câmara Municipal de São Luís, que levou estes temas, para discussão em Audiência Publica, fazendo cumprir o papel dos vereadores, que é legislar em favor do povo, do trabalhador. Não podemos deixar de agradecer a imprensa que nos concedeu espaço, para que pudéssemos denunciar todas essas irregularidades e claro, ao Ministério Público do Trabalho, que entendeu e concordou que todas essas condições impostas ao trabalhador, são degradantes”, finaliza Isaias Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

Ascom Sind. Rodoviários – MA

Áudio de Joesley entregue à Procuradoria tem cortes e pode ter sido editado, diz perícia

 Uma perícia contratada pela Folha concluiu que a gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer sofreu mais de 50 edições.

O laudo foi feito por Ricardo Caires dos Santos, perito judicial pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Segundo ele, o áudio divulgado pela Procuradoria-Geral da República tem indícios claros de manipulação, mas “não dá para falar com que propósito”.

Afirma ainda que a gravação divulgada tem “vícios, processualmente falando”, o que a invalidaria como prova jurídica.

“É como um documento impresso que tem uma rasura ou uma parte adulterada. O conjunto pode até fazer sentido, mas ele facilmente seria rejeitado como prova”, disse Santos.

Segundo disse à Folha a Procuradoria, a gravação divulgada é “exatamente a entregue pelo colaborador e sua autenticidade poderá ser verificada no processo”.

“Foi feita uma avaliação técnica da gravação que concluiu que o áudio revela uma conversa lógica e coerente”, declarou a Procuradoria na noite desta sexta (19).

 

A gravação não passou pela Polícia Federal, que só entrou no caso no dia 10 de abril. O áudio, feito pelo empresário na noite de 7 de março, foi entregue diretamente à PGR e é anterior à fase das ações controladas.

Em um dos trechos editados, o empresário pergunta ao peemedebista sobre sua relação naquele momento com o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato. As duas respostas de Temer sofreram cortes.

O trecho na gravação divulgada permite o seguinte entendimento:

“Tá.. Ele veio [corte] tá esperando [corte] dar ouvido à defesa.. O Moro indeferiu 21 perguntas dele… que não tem nada a ver com a defesa dele”

“Era pra me trucar, eu não fiz nada [corte]… No Supremo Tribunal totalidade só um ou dois [corte]… aí, rapaz mas temos [corte] 11 ministros”

Em depoimento posterior à PGR, Joesley disse que nesse momento o presidente dizia ter influência sobre ministros do STF.

“Ele me fez um comentário curioso que foi o seguinte: ‘Eduardo quer que eu ajude ele no Supremo, poxa. Eu posso ajudar com um ou dois, com 11 não dá’. Também fiquei calado, ouvindo. Não sei como o presidente poderia ajudá-lo”, afirmou.

Em outro trecho cortado, o empresário, enquanto explica a Temer que “deu conta” de um juiz, um juiz substituto e um procurador da República, declara: “…eu consegui [corte] me ajude dentro da força-tarefa, que tá”.

 

No momento mais polêmico do diálogo, quando, segundo a PGR Temer dá anuência a uma mesada de Joesley a Cunha, a perícia não encontrou edições. O trecho, no entanto, apresenta dois momentos incompreensíveis, prejudicados por ruídos.

Em entrevista à Folha, outro perito, Ricardo Molina, que não fez uma análise formal do áudio, declarou que a gravação é de baixa qualidade técnica.

Para ele, uma perícia completa e precisa obrigaria a verificação também do equipamento com que foi feita a gravação.

“Percebem-se mais de 40 interrupções, mas não dá para saber o que as provoca. Pode ser um defeito do gravador, pode ser edição, não dá para saber.”

Para o perito judicial Ricardo Caires dos Santos, não há hipótese de defeito.

Procurada para comentar o assunto, a assessoria da JBS disse que a empresa não vai comentar.

Conforme revelou o Painel nesta sexta-feira (19), o Planalto decidiu enviar a peritos a gravação, desconfiando de edição da conversa.

Comprovada a existência de montagem, o governo vai reforçar a tese de que Temer foi vítima de uma “conspiração”.

Policial não brinca e detona criminoso a tiros no Monte Castelo

Na tarde desta sexta-feira (19), um homem, identificado com Leandro Lima Farias, 28 anos, tentou assaltar uma pessoa no Monte Castelo, mas não deu certo.

Ao usar uma faca para tentar render uma mulher, Leandro foi surpreendido ao vê-la tirar uma arma da bolsa, em vez de dinheiro ou um celular.

Imediatamente, ela atirou na perna de Leandro e manteve a arma apontada para ele até a chegada da polícia.

Leandro foi encaminhado ao Hospital Municipal Djalma Marques (Socorrão I) e, após ter feito curativos, foi encaminhado à Policia Interestadual do Maranhão.

O assaltante já possui outras passagens pela polícia.

Ação social na Vila Luizão com oferta de serviços gratuitos

Pavão Filho quer Implantação de uma unidade do colégio militar na UEB Justino Pereira no bairro Cidade Operária

A Câmara Municipal aprovou a indicação nº 078/2017 de autoria Vereador Pavão Filho, que solicita ao Governador Flávio Dino, a reforma da Unidade de Ensino Básico (UEB) Justino Pereira, localizada na Cidade Operária, para implantação de uma Unidade de Colégio da Polícia Militar do Maranhão.

As escolas militares desempenham um papel muito importante na sociedade, pois valoriza a disciplina rígida, noções de hierarquia, meritocracia, cidadania e respeito ao próximo.

O Parlamentar vem lutando pelo pleito, desde o ano de 2015, onde apresentou e foram aprovadas pela Câmara Municipal as INDICAÇÕES Nº 216/15 e Nº 031/16.

O bairro Cidade Operária e vários bairros adjacentes, apresentam altos índices de violência e tráfico de drogas, e a implantação de escolas militares na região afasta a juventude da criminalidade, oportunizando-a a outro estilo de vida, haja vista que o desempenho dos alunos de escolas militares é um dos melhores do Brasil.

Delator diz que dinheiro da JBS irrigou 1.829 candidatos de 28 partidos

O diretor da JBS Ricardo Saud traçou, em delação premiada, um verdadeiro inventário da propina, com listagem de doações que somam quase R$ 600 milhões para 1.829 candidatos de 28 partidos das mais variadas colorações. Saud detalha que a empresa conseguiu eleger 179 deputados federais de 19 siglas, bancou 28 senadores da República e fez 16 governadores. Apesar do extensa lista de políticos beneficiados, entregue por ele ao MPF, há muitos repasses de valores baixo como R$ 84 e R$ 200.

Ele alerta o procurador, no depoimento filmado, que praticamente “tudo é propina”, exceto a quantia ínfima de R$ 15 milhões diante do total de quase R$ 600 milhões. A listagem com valores, cargos, partidos, entre outras informações, foi entregue por Saud aos investigadores: “Estão pessoas estão cientes disso”

— É importante a gente trabalhar que desses R$ 500 milhões, quase R$ 600 milhões que estamos falando aqui, praticamente, tirando esses R$ 10, R$ 15 milhões aqui, o resto tudo é propina. Tudo tem ato de ofício, tudo tem promessa, tudo tem alguma coisa. Então eu gostaria de deixar registrado que nós demos propina para 28 partidos. Esse dinheiro foi desmembrado para 1.829 candidatos. Eleitos foram 179 deputados estaduais de 23 estados, 167 deputados federais de 19partidos. Demos propina para 28 senadores da República, sendo que alguns disputaram e perderam eleição para governadores e alguns disputaram a reeleição ou eleição para o Senado. E demos propina para 16 governadores eleitos, sendo quatro do PMDB, quatro do PSDB, 3 do PT, 2 do PSB, 1 do PP, 1 do PSD. Foi um estudo que eu fiz, por conta minha (…) Acho que no futuro vai servir. Aqui estão todas as pessoas que receberam propina diretamente ou indiretamente da gente.

— Eu falo direta ou indiretamente pelo seguinte: é muito difícil o cara não estar sabendo que o PT comprou o partido X ou deixou de comprar o partido Y, que o Aécio comprou o partido X ou deixou de comprar o partido Y. Se ele recebeu esse dinheiro, ele sabe de um jeito ou de outro (que) foi de propina. Essas pessoas estão cientes disso — afirmou Saud.

 

Audiência pública debate situação de condomínios em São Luis

Por diversas vezes, moradores de condomínios do programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, em São Luís, denunciaram a entrega de apartamentos com diversas irregularidades, que os comprometiam. Ontem, uma audiência na Câmara Municipal discutiu a situação, apresentando propostas para contornar o problema.

A audiência foi proposta pelo vereador Marcial Lima (PEN), e para o encontro foram chamados representantes da Prefeitura de São Luís, Caixa Econômica Federal (CEF), Ministério Público Federal (MPF) e Justiça Federal, mas nenhum deles fez-se presente durante os debates.

Problemas
De acordo com o vereador Marcial Lima, os condomínios residenciais do “Minha Casa, Minha Vida” construídos e entregues na zona rural de São Luís apresentam diversos problemas de infraestrutura.

Em volta deles não há equipamentos sociais ou unidades que possam ser utilizadas pela população como creches, escolas, delegacias e unidades de saúde. Outro problema debatido durante o encontro foi o acesso para esses condomínios, pois em muitos deles as ruas não são asfaltadas e não há linhas de ônibus suficientes para atender a população.

Como exemplo, foram citados os residenciais Ribeira e Amendoeiras, no Maracanã; Bacelar, na região do Gapara; Piancó, na região da Vila Embratel; Nova Terra, em São José de Ribamar, e Sítio Natureza, em Paço do Lumiar.
Presentes na audiência estavam os moradores desses condomínios. Ilsa Sousa é moradora do Residencial Ribeira, no Maracanã. Ela afirmou que os moradores estão sendo diariamente prejudicados com a situação do condomínio.
Lembrou ainda que, dias atrás, os moradores da região realizaram um protesto e interditaram a BR-135, chamando atenção das autoridades competentes para os problemas do condomínio.

“O nosso residencial está abandonado. Não temos escolas e as ruas estão esburacadas. Já enviamos vários ofícios e não fomos atendidos”, disse a moradora. Ela afirmou que em muitos apartamentos a água não está em condições adequadas para o consumo e, em outras unidades, o produto não chega às residências dos condôminos.

O presidente da Comissão de Moradia da OAB-MA, Fernando Ariel, esteve na audiência e afirmou que a instituição tem acompanhado as demandas dos moradores. “A comissão atua como canal entre os moradores e instituições. O que vemos na Ribeira é um problema de saúde pública, sem falar na acessibilidade e outros problemas. Entregar condomínios sem condições é um agravante para a vida das famílias”, relatou.

 

Dono da JBS diz ter transferido US$ 150 milhões no exterior para campanhas de Lula e Dilma

O dono da JBS, Joesley Batista, disse que transferiu para contas no exterior US$ 70 milhões destinados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais US$ 80 milhões em conta, também no exterior, em benefício da ex-presidente Dilma Rousseff (veja a partir de 29 minutos e 30 segundos do vídeo acima).

Os montantes, afirmou, foram enviados por meio do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e gastos “tudo em campanha” (veja a partir de 30 minutos segundos e 30 segundos no vídeo acima). Joesley falou que tanto Lula quanto Dilma tinham conhecimento dos repasses.

A defesa do ex-presidente Lula afirma “que as afirmações de Joesley Batista em relação a Lula não decorrem de qualquer contato com o ex-presidente, mas sim de supostos diálogos com terceiros, que sequer foram comprovados”. Lula é inocente, ainda segundo nota assinada pelos advogados Cristianio Zanin Martins e Roberto Teixeira. A assessoria da ex-presidente Dilma negou irregularidades, e disse que “são improcedentes e inverídicas as afirmações do empresário” (veja nota no final do texto).

A declaração foi dada por Joesley em 3 de maio de 2017 na sede da Procuradoria Geral da República, em Brasília. “Teve duas fases, a do presidente Lula e teve a fase da presidente Dilma”, disse. “Na fase do presidente Lula chegou a US$ 80 milhões de dólares, na fase da presidente Dilma chegou a uns US$ 70 [milhões]. Ou ao contrário: US$ 70 [milhões] na do Lula e US$ 80 [milhões] na da Dilma.”

Joesley disse que inicialmente não tinha se dado conta de que os valores eram destinados às campanhas eleitorais de Lula e Dilma. Ele afirma ter percebido quando, ainda segundo ele, Guido pediu a abertura de uma segunda conta, em nome do próprio empresário. “Foi aí a primeira vez que eu desconfiei que o dinheiro não era dele [Guido]” (veja a partir de 32 minutos e 15 segundos no vídeo acima).

“Quando terminou o governo Lula, ele falou: agora tem que abrir outra conta. Essa conta é da conta do Lula. Essa aqui.. tem que abrir uma para Dilma”, disse. Fiz uma pergunta pra eles sabem disso? Lula sabe disso, Dilma sabe ? Não, sabe sim, eu falo tudo pra eles” (veja a partir de 33 minutos e 7 segundos). Ele disse levar frequentemente o extrato das contas para o então ministro.

Em 2014, Joesley disse ter sido chamado por Guido e orientado a doar, a partir das mesmas contas, dinheiro para candidatos do PT e de outros partidos –citou PMDB e PC do B. “Quando eu percebi que as doações estavam indo para valores estratosféricos, eu fui lá no ministro e disse, por mais que a maior parte tenham sido oficiais, o número vai ficar muito discrepante em relação ao segundo [maior doador]”. O ministro então lhe disse, ainda segundo Joesley: “Tem que fazer”.

Encontros com Lula e Dilma

O empresário afirma ainda ter falado com Lula a respeito (veja a partir de 46 minutos e 10 segundos). “Eu conheci o presidente Lula em 2013. Preisdente Lula, não sei se o senhor tem a ver com isso ou não tem. Nós estamos fazendo doação, nós somos o maior doador, e as doações já passaram de R$ 300 milhões, hein? O senhor está entendendo a exposição que vai virar isso?” Lula, segundo Joesley, nada falou. “O presidente ficou olhando pra mim, não falou nem sim nem não… e ficou um silêncio na sala.” O encontro ocorreu em 2014.