Imprensa maranhense de luto em 2014 com a morte de 6 jornalistas

Anacleto Araújo

Anacleto Araújo


O ano de 2014 foi bastante aziago e penoso para a Imprensa do Maranhão, com a morte de seis conhecidos comunicadores, todos por problemas de saúde. Faleceram os jornalistas Renato Souza, Mata Roma, J. França, Anacleto Araújo, Aldionor Salgado e Marinaldo Gonçalves. Veja como foram as mortes de cada um deles:

RENATO SOUZA

Internado desde março, no Hospital Geral Tarquínio Lopes, após ser acometido de um AVC, o radialista, Renato Sousa, morreu na manhã de 14 de julho naquela casa de saúde, aos 60 anos.
O radialista integrava o quadro de funcionários da Rádio Capital AM, em São Luís. Ele comandava, diariamente, o programa informativo Tribuna da Capital. Ao longo de 40 anos de carreira, Renato Sousa atuou como repórter em todas as emissoras de São Luis.
No jornalismo impresso, foi editor de Polícia do O Estado do Maranhão, militou no O Imparcial, O Jornal, Jornal de Hoje, Atos e Fatos e foi fundador do semanário Chumbo Grosso. Era diretor proprietário da rádio comunitária da Raposa.
Em nota, o governo do Estado lamentou a morte do radialista e ressaltou o trabalho e a dedicação do profissional para o rádio maranhense.
J. FRANÇA
Aos 61 anos, morreu na madrugada de 17 de agosto, no Hospital Geral Carlos Macieira, em São Luis, o jornalista José de Ribamar de França Rego, o Jota França, vítima de complicações decorrentes de cirrose hepática. O jornalista integrou importantes veículos de comunicação do estado maranhense.
Jota França foi funcionário de “O Estado do Maranhão” por mais de 20 anos, exercendo os cargos de repórter, editor e secretário de redação. Também foi assessor de imprensa da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), com passagens pela Rádio Educadora de Parnaíba, no Piauí, no jornal Correio dos Municípios, Revista Impacto, Rádio Capital, Rádio Gurupi (atualmente Rádio São Luís) e Rádio Ribamar (hoje Rádio Cidade). Foi, também, chefe da Assessoria de Comunicação da Federação dos Municípios do Maranhão (FAMEM), durante a gestão do ex-governador Luiz Rocha\.

MATA ROMA
O jornalista Célio Mata de Oliveira Roma, o Mata Roma, faleceu na manhã do dia 20 de setembro, em São Luís. Durante muitos anos, ele foi colaborador do Jornal Pequeno, assinando uma coluna de notícias sobre atividades do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea-MA).
Em nota à imprensa, a Secretaria de Comunicação Social (Secom), em nome de todos os assessores e funcionários do Governo do Estado, lamenta a morte do jornalista.
“Competente, Mata Roma tem história de dedicação e paixão pela profissão, tendo sido funcionário efetivo do governo e assessor de diversos órgãos, a exemplo das Secretarias de Comunicação Social (Secom), de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima) e de Educação (Seduc). Por anos, também assinou coluna no Jornal Pequeno e foi assessor do Conselho Regional de Engenharia (Crea).” Mata Roma lutou contra um câncer durante vários anos.
ALDIONOR SALGADO

Na manhã do dia 28 de setembro, falecia, no Hospital Universitário Presidente Dutra, o jornalista, ex-vereador e ex-secretário de Comunicação de São Luís, Aldionor Salgado. O jornalista estava internado há três semanas no hospital Presidente Dutra, lutando contra um câncer no pâncreas. Aldionor militou muitos anos no PDT e, em sua última postagem em rede social, lamentou não poder participar da campanha de Flávio Dino.

Aldionor Salgado, era funcionário da UFMA, atuou por várias vezes na gestão do ex-prefeito e ex-governador, Jackson Lago. Militante da esquerda, recentemente o jornalista havia coordenado a Assessoria de Comunicação da SMTT(Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes), gestão de Carlos Rogério.

MARINALDO GONÇALVES
O jornalista José Marinaldo Gonçalves de Jesus, um dos profissionais mais respeitados da imprensa maranhense, morreu vítima de câncer de próstata, às 23h4 do dia 12 de outubro, no Hospital Tarquínio Lopes (Hospital Geral), onde estava internado.
Marinaldo Gonçalves, que tinha 75 anos de idade, estava com morte cerebral anunciada desde o início do final de semana anterior e se encontrava internado no Hospital Geral desde a última terça-feira (7), depois de uma passagem por dois meses neste mesmo hospital.
Profissional veterano, com larga experiência, Marinaldo Gonçalves trabalhou na TV Difusora na década 70, quando passou por um seletivo para reportagem com outras sete pessoas. “Foi um pioneirismo que a gente hoje em dia olha e acha graça. Na época era trabalhoso”, disse em depoimento ao Especial 50 anos da TV Difusora em 2013. Ainda na área da televisão, também fez parte do quadro profissional da TV Cidade e do Sistema Mirante de Comunicação.
No jornalismo impresso iniciou a carreira no jornal “Tribuna de São Luís”. Junto com Nílton Ornellas, foi um dos fundadores do “Diário do Povo” que, sediado na Rua Portugal, circulou de 1975 a 1977. E com sede num prédio próximo à Fonte das Pedras circulou de 1978 a 1979.
Marinaldo teve uma passagem pelo jornal “O Estado do Maranhão” e trabalhou ainda em “O Jornal”, foi diretor de Redação do “Jornal de Hoje” e de “O Debate”. Foi assessor de comunicação da Prefeitura de São Luis e da Assembléia Legislativa do Estado. Ele morou e trabalhou durante 16 anos na região tocantina, onde foi secretário de Comunicação da Prefeitura de Açailândia. Na imprensa, sua última função foi a de diretor de Redação do “Correio de Notícias”.

ANACLETO ARAÚJO
O radialista e jornalista Anacleto Araújo, de 57 anos, faleceu em São Luís, no final da tarde de 8 de novembro, no Hospital São Luiz. Vítima de uma parada cardíaca no dia 27 de outubro, Anacleto Araújo, logo após a internação, teve um acidente vascular cerebral (AVC), o que complicou gravemente o seu estado de saúde.
Profissional tarimbado, com vasta experiência tanto em rádio quanto em jornal impresso, Anacleto Araújo trabalhou em O Jornal, O Imparcial, Jornal de Hoje, Atos e Fatos e Folha do Maranhão.
Ele também trabalhou nas rádios Mirante, Educadora, Timbira e antiga Rádio Ribamar. Atualmente ele fazia parte do quadro de profissionais da Rádio Assembleia. Durante muitos anos, Anacleto Araújo, além de dedicar-se ao jornalismo na área esportiva, trabalhava como repórter de política na Assembleia Legislativa do Estado. Ele também trabalhava na Rádio Difusora AM, fazendo parte da Equipe 680, comandada por Garcia Júnior.

Aldionor Salgado

Aldionor Salgado

Marinaldo Gonçalves

Marinaldo Gonçalves

J. França

J. França

Mata Roma

Mata Roma

Renato Souza

Renato Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.