Vereadores, SMTT, empresários e usuários de transporte coletivo buscam solução para impasse de ônibus fúnebre

 

Os vereadores Pavão Filho, Marcial Lima, César Bombeiro e Sá Marques, estiveram reunidos na tarde de ontem, na sede da Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT), com o titular da pasta, Canindé Barros, o presidente do Sindicato dos Empresários de Transportes (SET), Gilson Caldas, além dos empresários Romeu Carvalho (Viação Primor), Marcelo Medeiros (Viação Estrela) e Paulo Pires (Upaon –Açu), e representantes de dezenas de entidades representativas, sob a liderança de Sebastião Santos, presidente do Macaib, movimento representativo da área Itaqui/Bacanga.

O objetivo do encontro foi debater o problema da falta de cessão de ônibus para acompanhamento fúnebre nos bairros da capital, que foi finalizada a partir de 2016, com o advento da licitação para o setor. Os comunitários reclamam que isso vem causando um sério problema, principalmente nos bairros mais pobres da cidade, levando-se em conta que essa era a única ação social prestada pelos empresários.

O vereador Pavão Filho sugeriu que os empresários passassem  os coletivos para os enterros, a partir de agora, para que, num prazo de 3 meses, se busque uma solução, enquanto afirmou que a Câmara deverá alinhar com a Prefeitura, a adoção de medidas como a criação de um fundo especial, para ser inserido no Orçamento que será elaborado ainda este ano.

Os empresários aprovaram a ideia, mas, enquanto Paulo  Pires e  Romeu Carvalho acataram a sugestão de que a classe empresarial arcasse com essas despesas a partir de agora, Gilson Caldas e Marcelo Medeiros ficaram na defensiva, arguindo a impossibilidade de assumirem tal responsabilidade.

Com ameaça de bloqueio de corredores e outras medidas drásticas por parte dos comunitários, Gilson Carvalho, que é proprietário da Ratrans, pediu um prazo de até a próxima sexta-feira, para dar uma resposta definitiva, após reunir a diretoria executiva do SET.

O vereador Marcial Lima afirmou que a classe empresarial estava se mostrando insensível para com os problemas da cidade. “Quem dá sustentação às empresas são os usuários, que pagam à vista esse produto.  Vocês não estão se importando com o problema deles e sequer se manifestam para uma retribuição de  cunho social”, afirmou.

O vereador Sá Marques também se mostrou incisivo  com os empresários e  disse que estava até interessado em apresentar a proposta da criação de uma CPI para verificar muitos problemas no sistema de transportes, que são reclamados pela população.

Depois de mais de duas horas de discussão, ficou definido que o presidente do SET estará na sexta-feira (17), às 10 horas, na sede do SMTT, dando uma resposta definitiva sobre  o que foi debatido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*