Recados para ela

Olá, minha fofa, muito bom dia! Espero que estas poucas e mal

traçadas venham a encontrá-la no bem bom por aí, ao lado do

Criador. Olha Bibi, apesar do lado autoritário do presidente Jair

Bolsonaro, as manifestações ocorridas no dia 7 de setembro, na

minha humilde opinião, foram exemplos de democracia.

Aconteceram atos pró e contra o chefe do Executivo Nacional, sem

maiores consequências, até o momento que ele tentou fazer um

discurso.

Sabe aquele aniversariante que se embriaga, constrange os

convidados e acaba com a própria festa. Foi isso o que observei no

Bolsonaro, quando ele se empolgou tanto que passou a

 

esculhambar o ministro Alexandre Moraes, do STF, chamando-o de

“canalha” e desferindo outros impropérios.

Tirante isso, a festa estava bonita. Sem confusão, sem qualquer

incidente. Os opositores do governo inclusive tiveram suas

manifestações praticamente nulas, sem visibilidade, diante do

mundaréu de gente vestida de verde e amarelo, em apoio ao

presidente.

A cena foi dominada pelos bolsonaristas, em Brasília, São Paulo e

também em São Luís. Quem torceu para que houvesse arruaças,

quebrou a cara. Nada disso aconteceu. Em São Paulo,

aconteceram algumas prisões, com neguinho portando coquetéis

molotov, mas do grupo das esquerdas. Mas tudo sem maiores

consequências. Uma página virada. Agora é ver se o Bolsonaro,

depois de sua Carta à Nação, com pedido de desculpas pelas

injúrias contra o STF, realmente entre nos eixos e que o País siga

em frente.

*

Vixe Bibi, o negócio pegou mal para um ex-vereador da cidade de

Penalva! Ele foi preso em Viana, juntamente com um de seus filhos,

acusados de estuprarem uma jovem de 17 anos. Osa dois

embriagaram a jovem e fizeram a famosa “maratona”. Ambos estão

engaiolados no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

*

Quem também entrou em baixa aqui no circuito político foi o

senador Weverton Rocha. Empolgado como sempre, disse (numa

clara alusão ao vice-governador Carlos Brandão), que “tem gente

que nasceu para ser vice e tem outros que nasceram para liderar.

Eu nasci para liderar”.

*

A frase, perfeitamente arrogante, provocou um quiproquó danado

nas hostes políticas. O senador viu-se encalacrado e pediu

desculpas publicamente. Deu uma de Bolsonaro. Resta saber se o

Brandão vai atender aos pedidos de desculpas do adversário.

*

 

Essa briga do Weverton com o Brandão vem de longe, cidadã. Na

campanha municipal do ano passado, o Weverton foi lá pra Colina,

terra do vice-governador, pedir votos para o ex-prefeito Antônio

Carlos, adversário da família Brandão.

*

Lá, ele subiu num palanque, desancou a prefeita Valmira Miranda,

prefeita do grupo de Brandão e afirmou que, com Antônio Carlos

eleito, iria arrombar as portas do Palácio dos Leões, em buscas de

recursos para a cidade.

*

Isso, até hoje está entalado na garganta da família Brandão. Agora,

com mais esse arroubo de intolerância, dificilmente os dois fumarão

o cachimbo da paz, embora tudo possa acontecer em termos de

política.

*

Digo isso, mama mia porque já vi muitas coisas estranhas

aconteceram na política do Maranhão. Vi Sarney e Cafeteira em

guerras verbais ao longo de muitos anos. Depois, os dois fizeram

parceria e Cafeteira morreu como aliado daquele que foi seu mais

ferrenho adversário.

*

Também acompanhei as trajetórias de Jackson Lago e João

Castelo. Ambos eram como água e óleo. Fui assessor do Castelo

durante algum tempo e cheguei a ser hostilizado algumas vezes por

“jackistas” mais fanáticos.

*

Resultado: Os dois ingressaram as fileiras do movimento que

derrotou o grupo Sarney, em 2006. Jackson foi eleito governador e

dois anos depois apoiou Castelo para a Prefeitura de São Luís.

Antes, Jackson Lago impusera duas derrotas consecutivas a João

Castelo em disputas pela prefeitura da capital maranhense. Viraram

unha e carne.

Ah, Bibi, nem te conto. Tem um ex-prefeito da região do Pindaré

que está foragido. Só que ele é teu conterrâneo, nasceu em

 

Cururupu. Por obra e graça do destino, acabou administrando uma

cidade que fica no outro extremo de sua terra natal.

*

Foi eleito, reeleito e meteu a mão no jarro com vontade.

Recentemente a Justiça o condenou à cadeia, à perda do direito de

se candidatar e lhe aplicou outras sanções. Tudo por conta de uma

grande roubalheira praticada contra os cofres públicos.

*

Tomei conhecimento aqui que pesquisas realizadas por

determinação do Palácio dos Leões pode resultar em grandes

surpresas na corrida pela sucessão do governador Flávio Dino.

*

Que ninguém e engane, mas na disputa pela presidência da

Câmara Municipal de São Luís, tem neguinho correndo muito e que

pode chegar muito cansado e sem fôlego na reta final.

*

O deputado federal Josimar de Maranhãozinho não é essa fera

política como vem sendo pintado pelos seus aliados midiáticos.

Basta ver que na pesquisa feita pera o governo do Estado, lá em

Barra do Corda ela aparece com míseros 0,6%.

*

Na realidade, o nobre parlamentar tem que acionar é sua

assessoria jurídica, para evitar que num futuro não muito distante

corra o risco de vir a ver o sol nascer quadrados, em decorrência de

inúmeras denúncias de irregularidades com o dinheiro público.

*

Ei Bibi, tava me lembrando de uma história aqui, logo após a posse

do ex-deputado Marcelo Tavares no Tribunal de Contas do Estado.

Fiz aqui uma pesquisa e vi que o TCE é o único órgão da

administração pública estadual que continua como um verdadeiro

“Clube do Bolinha”.

*

 

Desde sua instalação, em 2 de janeiro de 1947, pelo então

interventor federal Saturnino Bello, o órgão nunca teve uma mulher

no seu quadro de conselheiros. Acho que é hora de mudar essa

postura, né, não, Bibi?

*

Tua neta, a Lívia, inicia sua vida acadêmica no próximo dia 14, no

curso de Direito da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

Só que ela continua se preparando para o ENEM.

 

Bem, Bibi, com essa, teu pretinho vai ficando por aqui, garantindo

retorno para a próxima semana, se Deus quiser. E ele quer, porque

sempre foi bacana com esse teu pimpolho.

*

Beijão desse teu filhote que jamais deixará de te amar.

Djalma

N.E- Bibi é Benedita Rodrigues, mãe do editor. Ela faleceu aos 28 anos de idade, em São Luís, no dia 8 de dezembro de 1965.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.