Romário: ‘Del Nero será o primeiro convocado da CPI do Futebol’

Senador Romário

Senador Romário

Vinicius Konchinski
Do UOL, no Rio de Janeiro

O senador Romário (PSB-RJ) conseguiu tirar do papel a CPI do Futebol. Proposta do ex-jogador desde seu primeiro mandato como parlamentar, a comissão parlamentar de inquérito para investigação de suspeitas de corrupção da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e outras entidades ligadas ao esporte enfim foi aprovada pelo Senado nesta quinta-feira (28).

A aprovação da CPI foi comemorada por Romário em discurso no plenário na Casa nesta tarde. O senador, agora, espera assumir a relatoria da comissão para ter certeza que “tudo o que for apurado seja devidamente registrado”. E, para “moralizar de uma vez o futebol brasileiro”, Romário adianta: “[Marco Polo] Del Nero será o primeiro convocado a depor na CPI.”

Segundo o senador, o atual presidente da CBF tem muito a explicar na CPI. É suspeito de ter recebido propinas de negociações da confederação para venda de direitos da Copa do Brasil e Copa América. Por isso, deveria até se afastar do comando da entidade para poder se defender dos fatos que pesam contra ele: “Se o Brasil fosse um país sério, ele já tinha anunciado sua saída.”

Romário falou com o UOL Esporte. Leia os principais trechos da entrevista.

UOL Esporte: Senador, a CPI que o senhor propôs visa a investigar a CBF?
Romário: Não só a CBF. O objetivo maior da CPI é moralizar o futebol brasileiro como um todo. A CPI, aliás, vai chamar-se CPI do Futebol e não CPI da CBF. Quero, sim, ouvir Ricardo Teixeira [ex-presidente da CBF] e o Marco Polo Del Nero. Eles comandam o futebol brasileiro há anos e têm muito a explicar. Del Nero será o primeiro convocado. Quanto ao [o ex-presidente da CBF, José Maria] Marin, já nem há mais o que suspeitar. Está preso. Mas a CPI vai muito além da CBF.

UOL Esporte: O que mais a CPI vai investigar?
Romário: Vamos investigar as 27 federações, os clubes, tudo. Quero repaginar de uma vez por todas o futebol brasileiro. Quero seja exposto tudo o que é verdade e inverdade sobre o futebol.

UOL Esporte: Como a CPI vai investigar entidades privadas, como a CBF e os clubes? Isso não será um problema?
Romário: Esse argumento sempre é usado por pessoas da CBF quando trata-se da ação do Estado na entidade. Agora, o futebol é uma paixão nacional. É um componente forte da sociedade e da cultura brasileira. Eu entendo que, em determinados pontos do futebol, o Estado não deve agir. Mas há outros em que o Estado tem que atuar. Esses caras estão aí fraudando a Receita, enriquecendo ilegalmente. O Estado precisa coibir.

UOL Esporte: Qual será seu papel nessa CPI? O senhor quer a presidência?
Romário: Não, eu quero a relatoria. Os partidos ainda têm que indicar seus membros para a comissão. Eu acredito que o meu partido, o PSB, irá me indicar. Depois, ainda haverá uma negociação sobre quem ocupa que função. Eu quero a relatoria. Quero ter certeza que tudo o que for apurado será devidamente registrado. Só assim, a CPI poderá ter resultados no futuro.

UOL Esporte: Quando começam os depoimentos?
Romário: Eu espero que na semana que vem. Se não for na semana que vem, no máximo, na próxima. A CPI será instalada o mais rápido possível.

UOL Esporte: O senhor teme que a Bancada da Bola atrapalhe os trabalhos?
Romário: Eu sou da Bancada da Bola – afinal, eu joguei bola. Existe também uma Bancada da CBF. Agora, eu acho que não tem mais como atrapalhar uma CPI como essa. São muitas suspeitas a apurar.

 

Partidos vão ao STF contra financiamento privado de campanha

 

Parlamentares de cinco partidos vão ingressar, nesta sexta-feira (29) no Supremo Tribunal Federal (STF), com um mandado de segurança pedindo a anulação da sessão da Câmara dos Deputados que aprovou a inclusão de financiamento privado na Constituição. Os deputados alegam que houve vícios de procedimento durante o processo legislativo. A petição já foi assinada por mais de 50 deputados.

Após uma intensa articulação de bastidor do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a Casa aprovou uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que regulamenta a doação de empresas privadas a partidos políticos. A proposta teve 330 votos a favor, 141 votos contrários e uma abstenção. Este foi o primeiro item da reforma política a passar pela Câmara. A proposta ainda terá que ser aprovada em segundo turno para depois seguir ao Senado. Mas a matéria foi apreciada um dia após a Câmara já ter rejeitado texto semelhante sobre o financiamento privado.

Os deputados contrários ao financiamento privado alegam que o presidente da Casa feriu o artigo 60 da Constituição, tanto no parágrafo 5º, quanto no inciso primeiro. O parágrafo 5º afirma que “a matéria constante de proposta de emenda rejeitada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa”; já o inciso primeiro, determina que qualquer proposta de PEC deve ter a assinatura de pelo menos um terço da Câmara. A proposta aprovada, apresentada pelo PRB, tinha em torno de 50 assinaturas.

“A Constituição foi rasgada ontem”, disse o deputado Alessandro Molon (PT-RJ). Os deputados acreditam que são grandes as chances da PEC cair no Supremo por conta dos vícios de procedimento. Além disso, o fato de pelo menos seis ministros já terem se manifestado contra o financiamento privado também é apontado como fator que pode facilitar o deferimento do mandado de segurança no STF.

O presidente da Câmara ironizou a iniciativa destes parlamentares. “Ih… Já tem uns 50 que eles entraram lá [no Supremo], vão ser 51… O que eu falei foi sobre o artigo original do relator. As emendas aglutinativas podem dar entrada a qualquer tempo foi assinada por quase todos os líderes, como não tinha número [de assinaturas]?”, declarou Cunha.

Câmara mantém coligações em eleições proporcionais

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quinta-feira (28) o fim das coligações nas eleições proporcionais (deputados e vereadores), mudança que prejudicaria os partidos pequenos e médios.

Por isso, essas legendas fizeram um acordo com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para votarem favoráveis ao financiamento privado de partidos e, em troca, ele articularia a manutenção das coligações.

A mudança foi rejeitada por 236 deputados e teve 206 votos favoráveis. A discussão fez parte da reforma política que está sendo votada na Casa desde terça-feira (26).

No atual sistema, partidos se coligam para disputar eleições e, no caso das proporcionais, parlamentares menos votados podem se beneficiar dos campeões de votos da coligação.

Deputados que votaram pela derrubada das coligações argumentaram que elas ocorrem à revelia das convicções partidárias. “Só para negociar tempo eleitoral”, disse o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).

O líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), argumentou que o fim das coligações poderia diminuir o número de partidos e aumentar distorções do sistema proporcional, em que candidatos são eleitos com poucos votos.

A Câmara vota ainda nesta quinta cláusula de desempenho, voto obrigatório e dia da posse do Presidente da República. A votação do aumento do tempo de mandato de quatro para cinco anos e da coincidência das eleições foi adiada, por não haver acordo.

 

Deputado quer investigação de agiotagem em Pedro do Rosário

Fernando Furtado

Fernando Furtado

 

O deputado Fernando Furtado (PCdoB) declarou, na manhã desta quinta-feira (28), que o Sistema de Segurança Pública do Estado precisa investigar urgentemente, também, denúncias de crimes de agiotagem que estariam envolvendo o prefeito da cidade de Pedro do Rosário, Irlan Serra.

Para o deputado, há graves denúncias no município que precisam ser apuradas. “Agora, recentemente, foram encontrados nos cofres do Pacovan dois cheques emitidos em nome de Domingos Erinaldo Sousa Serra. Cheques esses no valor de um milhão e sessenta mil e outro no valor de um milhão e quinhentos mil. E esse jovem Domingos Erinaldo Sousa Serra, mais conhecido politicamente como Toca Serra, é irmão do prefeito Irlan Serra”, afirmou Fernando Furtado na tribuna.

Ele acrescentou que ficou surpreso porque a polícia efetuou a prisão de diversos ex-prefeitos e suspeitos de agiotagem e não prendeu o prefeito de Pedro do Rosário, Irlan Serra.

 

“Estão lá os cheques comprovados em nome dele, e não foi preso. Como é que um cidadão desse, que comete esse tipo de atrocidade, porque é atrocidade um cidadão que não tem posses, não tem fazenda, não é empresário para ter esse volume de dinheiro. Então, aqui está provado e constatado que são recursos desviados do município. Recursos esses que deixam a cidade sem as obras; que deixa as crianças sem a merenda escolar, o hospital sucateado, e a cidade sem assistência nenhuma”, denunciou o deputado.

 

Em seu discurso, Fernando Furtado advertiu que o município de Pedro do Rosário corre o risco de entrar em colapso, a qualquer momento, porque não tem estrada vicinal e está com suas obras públicas totalmente paralisadas.

O deputado disse que está indignado porque o prefeito Irlan Serra chegou a dizer, para uma rádio comunitária, que tem 30 milhões de reais para investir em Pedro do Rosário: “Eu não sei, só se ele está assaltando os bancos que estão sendo assaltados aí pelo Maranhão afora, e ele está juntando, só se for isso! Porque eu não sei de onde esse moço vai tirar 30 milhões para investir em obras. Então, essa é uma grande preocupação e aí que queria aqui pedir ao Sistema de Segurança Pública que prenda esse pessoal. Predam, tem que prender! Se desviou dinheiro do povo, tem que prender! Bandido tem que estar é na cadeia”, ressaltou Fernando Furtado, ao concluir seu discurso.

Brasileiros morrem após avião em que estavam ser abatido pelo governo venezuelano

traficantesavião derrubado

(Jornal Extra)

Fernando César Silva da Graça (à esquerda) e Klender Hideo de Paula Ida morreram após descumprirem ordem das Forças Armadas Venezuelanas Foto: Divulgação / Governo Venezuelano

Breno Boechat

 

Dois brasileiros morreram após o avião em que estavam ser abatido pela Força Aérea Venezuelana, na cidade de Ricaurte, na Venezuela. De acordo com o governo local, os amazonenses Klender Hideo de Paula Ida, de 24 anos, e Fernando César Silva da Graça, de 29, transportavam 616 pacotes de cocaína, procedentes da Colômbia.

O caso aconteceu na madrugada do último domingo. Segundo o governo, a aeronave, modelo Embraer EMB-820C Navajo, foi abatida por ser considerada “invasora” e foi detectada pelo sistema de inteligência das forças armadas ainda na fronteira entre Venezuela e Colômbia. De acordo com a Força Aérea Venezuelana, dois aviões tipo caça decolaram para abordar os tripulantes brasileiros e orientá-los a desistir do voo. Os dois, no entanto, teriam tentado fugir dos militares que abriram fogo e abateram o avião. Autoridades venezuelanas informaram ainda que, antes da abordagem, os brasileiros já haviam tentado esconder o prefixo da aeronave, a fim de despistar a fiscalização.

Parar de voar

Há cerca de três anos como piloto da companhia aérea Jamil Tur, Klender já não se mostrava muito interessado em continuar na carreira. Em entrevista ao EXTRA, o tio dele, João Marcos Silva, contou que, em almoço na última sexta-feira, o rapaz contou que queria parar de voar e pensava em voltar para a faculdade de Engenharia Mecatrônica, que havia trancado. O parente acredita que o sobrinho pode ter sido vítima de uma emboscada.

– Almoçamos na sexta-feira e ele me falou que estava pensando em parar e voltar pra faculdade. Era um menino muito querido e de um caráter irretocável. Eu acredito que ele tenha sido vítima de uma sabotagem, que foi contratado pra fazer uma viagem e, chegando lá, não teve outra alternativa. A gente sabe como funcionam esses comandos de organizações criminosas. Era um menino incrível, não tem nada pra dizer da conduta dele – diz João Marcos.

O tio de Fernando, Anselmo Silva, contou que a família não tinha notícias do rapaz há cerca de três meses. No último contato, ele disse que estava trabalhando com transporte de cargas.

– Nunca imaginamos que ele pudesse estar metido com uma coisa dessas. Ele tinha sumido há uns três meses. Da última vez que ele apareceu, disse que estava trabalhando como transportador de cargas de cimento de Manaus para Boa Vista. Mas a gente não imagina o que passa na cabeça de um rapaz de 29 anos, independente – conta o tio.

Segundo o parente, a família tem tido dificuldades para liberar o corpo de Fernando. Anselmo conta que pensa em ir para a Venezuela para agilizar o processo de trazê-lo ao Brasil.

– A família fica a ver navios, sem muita informação. A gente pensa em ir pra lá pra tentar agilizar, mas não sei se adianta também chegar lá e ficar perdido. Tudo que a gente quer é trazer o corpo dele para dar um enterro digno. E isso precisa ser resolvido logo. A família está sofrendo muito. A mãe dele está à base de tranquilizantes – explica Anselmo.

Com os brasileiros, foram encontrados 500 dólares, 1700 pesos colombianos e apenas R$ 3, em moedas. O Itamaraty informou que foi noticiado sobre o abatimento pelo governo venezuelano. Os corpos ainda aguardam liberação, no Hospital Central de Valência, na Venezuela, e devem seguir para o Brasil nos próximos dias. O Ministério de Relações Exteriores informou ainda que um representante brasileiro vai acompanhar as investigações comandadas pela polícia venezuelana e que está em contato com as famílias das vítimas para prestação de apoio consular.

Blatter diz que dirigentes corruptos são minoria na Fifa

Joseph Blater

 

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, falou pela primeira vez sobre o caso de corrupção envolvendo a entidade, que culminou na prisão de sete membros da Fifa presos na quarta-feira, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin. Durante o Congresso Anual da entidade, em Zurique, na Suíça, no início da tarde desta quinta-feira, o mandatário afirmou que esse momento é muito complicado para a entidade e disse que não tem como “monitorar todos” para saber o que fazem de certo ou errado.

– Devo salientar que aqueles que são corruptos no futebol são uma minoria, como na sociedade. Mas, como na sociedade, devem ser pegos. Gostaria de expressar que esses que são culpados pela corrupção no futebol são minoria. E devem ser culpados por suas ações. Faremos de tudo para cooperar com as autoridades. Para descobrir todos os culpados e envolvidos. Não deve haver lugar para corrupção – falou.

Joseph Blatter, que é candidato à reeleição na Fifa e terá seu pleito nesta sexta-feira, fez um discurso de cerca de cinco minutos. O presidente deixou claro que a entidade vai cooperar com o que for necessário à investigação.

– Vocês vão concordar comigo. Que esse é um momento sem precedentes e muito difícil para a Fifa. Os eventos de ontem causaram uma sombra sobre o futebol e sobre esse congresso. Ações de indivíduos trouxeram humilhação para o futebol e exigem ações imediatas. Não podemos monitorar todos sempre. Se a Fifa quisesse fazer a errado, também tentaria esconder. Mas deve recair em mim a reputação da Fifa e descobrir uma maneira de solucionar isso. Não podemos permitir que a reputação da Fifa para ser arrastado pela lama por mais tempo – disse.

Del Nero abandona congresso da Fifa e volta ao Brasil

Del Nero e Marin

Del Nero e Marin

O presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Marco Polo Del Nero, deixou a Suíça nesta quinta-feira (28). Como mandatário da CBF, o dirigente tem direito a voto no pleito.

 

A eleição presidencial da Fifa está marcada para esta sexta-feira (29), em Zurique. Blatter tem apenas um concorrente ao cargo: o príncipe jordaniano Ali Bin al-Hussein.

O mandatário da Uefa, o ex-jogador Michel Platini, disse que chegou a pedir para Blatter deixar a Fifa após escândalo.

“Ele [Del Nero] informou à Fifa que retornou ao Brasil, mas não explicou os motivos”, disse a assessoria da Fifa.

Segundo a entidade, Del Nero pode designar outra pessoa para votar no lugar dele nesta sexta-feira (29) no pleito que escolhe o novo presidente.

 

Na última quarta-feira, uma operação do FBI em conjunto com autoridades suíças deteve sete dirigentes do futebol que estavam em Zurique. Entre eles, o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, atual vice da entidade.

Nesta quinta (28), a Folha publicou que há indícios na investigação do Departamento de Justiça dos EUA sobre corrupção no futebol que Marco Polo Del Nero tenha recebido propinas na exploração comercial da Copa do Brasil, competição de clubes organizada pela CBF.

Documentos da investigação norte-americana mostram que José Maria Marin, ex-presidente da CBF que está preso, dividiria com Del Nero e com Ricardo Teixeira, também ex-chefão da entidade, suborno de R$ 2 milhões anuais para fechar a venda dos direitos comerciais do torneio para a empresa de marketing esportivo Traffic.

Abertura de CPI do Futebol é aprovada no Senado

senadio

 Os senadores aprovaram nesta quinta-feira a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o escândalo que resultou na detenção de sete dirigentes da Fifa, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin, suspeitos de corrupção, lavagem de dinheiro e extorsão, em esquemas comerciais envolvendo competições como a Copa América, Libertadores e Copa do Brasil.

A CPI será publicada nesta sexta-feira no Diário do Senado e só não será instalada se 26 senadores retirarem suas assinaturas do requerimento até o fim da noite desta quinta, pouco provável no cenário atual.

A proposta de abertura da comissão investigatória é de autoria do senador Romário (PSB-RJ). Ele fez a proposta logo após ganhar repercussão a prisão dos dirigentes em Zurique na manhã da última quarta-feira (27).

A investigação que culminou na detenção dos dirigentes em Zurique está sendo feita pela Justiça nos Estados Unidos. Já a CPI no Senado pretende avançar em valores referentes à Copa do Mundo de 2014, assunto que não está sendo apreciado pelas autoridades norte-americanas.

Em nota oficial do Senado, foi informado que a comissão contará com sete membros titulares e igual número de suplentes e terá 180 dias para investigar possíveis irregularidades em contratos feitos para a realização de partidas da seleção brasileira de futebol, de campeonatos organizados pela CBF, assim como para a realização da Copa das Confederações em 2013 e da Copa do Mundo de futebol de 2014.

A instalação dependerá da indicação dos integrantes pelos partidos, o que leva em conta o cálculo de proporcionalidade das bancadas na composição do Senado. O limite de despesas da comissão será de R$ 100 mil.

Durante sessão no plenário do Senado nesta quinta-feira (28), Romário falou sobre a CPI e disse esperar que os responsáveis sejam presos.

“Particularmente espero que Blatter seja preso antes de assumir um novo mandato. O Marin está preso e este é o momento de fazermos uma verdadeira devassa na CBF, a Casa Bandida do Futebol”, afirmou.

“Recentemente, fomos surpreendidos com notícias da venda da Seleção Brasileira de Futebol masculino. Jogador que entra em campo por valor de marketing. Escalação feita por empresários. Tudo registrado em contrato. Por tudo isso, tenho tentado emplacar uma CPI para investigar esses criminosos.  É uma quadrilha camuflada pelas cores da nossa bandeira e festejada ao som do hino nacional”, completou Romário, fazendo referência ao contrato da CBF com as empresas International Sports Events (ISE) e Pitch International, que prevê redução do valor pago caso a seleção brasileira não entre em campo com seus principais jogadores.

 

PF vai investigar brasileiros por evasão de divisas no escândalo da Fifa

Os brasileiros envolvidos no escândalo de corrupção da Fifa serão investigados no Brasil por evasão de divisas. A Polícia Federal já encontrou elementos que apontam que dirigentes esportivos e empresários do país enviaram dinheiro do esquema para o exterior ilegalmente.

A apuração será comandada pela PF, com a participação do Ministério Público Federal. O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) tem discutido os detalhes da atuação das autoridades brasileiras com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a fim de identificar crimes que possam ser tipificados na legislação brasileira.

O material apreendido pela PF nesta quarta-feira (27) na sede da empresa de marketing esportivo Klefer, do empresário Kleber Leite, deve ser usado na apuração. Os investigadores brasileiros só podem usar esses documentos após autorização da Justiça dos Estados Unidos. A solicitação já foi feita aos americanos.

Fontes que acompanham a apuração preliminar afirmam que já há indícios de evasão cometida no Brasil por parte dos alvos da investigação.

Salário dos funcionários municipais sairá nesta sexta-feira

O pagamento do funcionalismo estadual será novamente antecipado e será efetuado neste sábado (30), ainda dentro do mês trabalhado. Pelo calendário, o pagamento estava previsto para o 2º dia útil do mês do junho, dia 02, mas, devido à viabilidade financeira do Estado, será antecipado, por determinação do governador Flávio Dino.

Com o pagamento, o Governo do Estado injetará, em forma de salários, cerca de R$ 350 milhões na economia do estado, favorecendo mais de 110 mil servidores, sendo 74 mil ativos (entre efetivos, comissionados e temporários) e 38 mil inativos (aposentados e pensionistas).

O secretário da Gestão e Previdência, Felipe Camarão (foto)  , ressalta que, por determinação expressa do governador, o Estado tem sempre buscado formas para antecipar o pagamento dos servidores. “A tabela que foi estabelecida ainda no início da gestão apresenta a data máxima para pagamento. Nosso objetivo é sempre antecipá-lo, quando for viável financeiramente, como  determinado pelo governador Flávio Dino”.